Insights

Eles são fissurados por compras online
Artigo

Eles são fissurados por compras online

Com o avanço da tecnologia, a relação dos consumidores com as compras ganhou mais um aliado: o e-commerce, sendo o poder aquisitivo o fator determinante para definir a intensidade dessa relação. Segundo a pesquisa mensal de audiência da internet brasileira MediaView, da Nielsen IBOPE, realizada entre internautas com computadores de casa ou do local de trabalho, um quinto dos internautas já navega em sites de produtos importados; mulheres têm maior consumo.  

Chegou a 11,7 milhões em setembro de 2014 o número de internautas brasileiros que navegam em sites estrangeiros de comércio eletrônico de produtos importados. O número já é 49% maior que o apurado no ano anterior e representa 21% do total de internautas do mês. A informação é da pesquisa mensal de audiência da internet brasileira MediaView, da Nielsen IBOPE, realizada entre internautas com computadores de casa ou do local de trabalho. Os sites estrangeiros de e-commerce com maior audiência entre internautas brasileiros são chineses, já figurando entre os maiores da categoria lojas de varejo.

Assim como nas páginas de outras lojas do comércio eletrônico brasileiro, os internautas das classes A e B também compõem a grande maioria dos visitantes frequentes dos sites de e-commerce estrangeiro, com 78% de participação, segundo a pesquisa MediaView.
A análise mostra que nas classes C, D e E os jovens visitam estas páginas enquanto nas classes A e B os visitantes têm 35 anos ou mais. No mês de setembro 17% dos visitantes das classes A e B tinham 50 anos ou mais nos grupos CDE apenas 5% estavam nessa faixa etária.

Apesar de os homens apresentarem uma participação maior nesses sites, a média de consumo das mulheres é mais intensa. Em setembro, os homens eram 59% do total de visitantes únicos, o que correspondia a uma cobertura de 23% de homens presentes no total da internet brasileira no mês. No entanto, as mulheres abriram bem mais páginas e passaram mais tempo. No período, cada mulher somou mais de 51 minutos de navegação nesses sites e abriu 62 páginas em média.

 Grande parte dos visitantes chega às páginas dos sites chineses a partir de pesquisas feitas em buscadores, segundo o analista da Nielsen IBOPE José Calazans, “as páginas mais visitadas pelos brasileiros são as de roupas femininas e seções de compras por atacado”, informou.

Em setembro de 2014, o tempo de uso e o número de usuários ativos da internet brasileira em casa ou no local de trabalho diminuíram em relação ao mês anterior. O número de usuários únicos caiu 6,9%, ao passar de 60 milhões em agosto para 55,9 milhões em setembro.