Insights

Compradores de mercearias querem mesclar experiências
News

Compradores de mercearias querem mesclar experiências

Quando acessamos aos nossos sites favoritos, aplicativos e serviços de entretenimento online, muitas vezes imergimos imediatamente em uma experiência única e conveniente sob medida para todos os nossos interesses. Com base em critérios como compras anteriores, configurações personalizadas e informações demográficas, nossa experiência é simplificada a partir de recomendações de produtos para checkouts rápidos. Imagine um supermercado onde você possa receber recomendações pessoais, levar apenas alguns segundos para efetuar sua compra sem tirar sua carteira do bolso. Parece exagero? Isso está mais próximo do que você imagina.

Embora a tecnologia tenha transformado fundamentalmente a forma como as indústrias da música, livros e vídeos operam, a mudança tem sido mais evolutiva que revolucionária nos bens de consumo embalados. O mercado digital está redefinindo o que significa “ir às compras” de supermercado. A divisão entre os mundos físico e digital está desaparecendo. Os consumidores estão se acostumando com os benefícios do universo digital em outros ambientes de varejo e estão começando a esperar que eles estejam presentes no supermercado também. Varejistas experientes, por sua vez, estão avançando por alavancar a tecnologia para melhorar a experiência de compra e acompanhar a evolução dos desejos dos consumidores.

“A era do comércio conectado chegou”, disse Patrick Dodd, presidente global Retailer Vertical da Nielsen. “Os consumidores não estão mais comprando inteiramente online ou offline, em vez disso, eles estão tendo uma abordagem mista, usando qualquer canal que melhor se adapte às suas necessidades. Os varejistas mais bem sucedidos e fabricantes estão no cruzamento dos mundos físico e virtual, aproveitando a tecnologia para satisfazer os compradores, onde e quando querem fazer as compras”.

Estamos vendo um ressurgimento do modelo de distribuição domiciliária do passado, com uma diferença. Os consumidores não estão apenas pegando o telefone para encomendar, mas também, cada vez mais, estão acessando o site do revendedor ou usando seu aplicativo móvel. De fato, de acordo com o Estudo Global sobre E-Commerce da Nielsen, um quarto dos entrevistados ao redor do mundo diz que já está encomendando produtos de mercearia online para entrega em domicílio, e mais da metade (55%) está disposta a usá-lo no futuro.

Gradativamente, os varejistas estão introduzindo modelos de e-commerce que facilitam ainda mais as compras para o consumidor, agilizando seu tempo para obter os itens que precisa. 14% dos entrevistados globais dizem que usam um serviço de assinatura online automático, no qual as ordens são rotineiramente reabastecidas com uma frequência específica, e mais da metade (54%) está disposta a usá-lo no futuro. Hoje, 13% dos entrevistados globais dizem que já estão usando uma loja virtual e quase seis em cada 10 (58%) estão dispostos a usá-la quando elas se tornarem disponíveis.

Um número menor de consumidores está usando os serviços de “clique e recolha”, que lhes permitem pedir mantimentos online para um coletor em uma loja ou outro local. Pouco mais de um em cada 10 entrevistados globais dizem que atualmente encomendam produtos online e buscam na loja ou utilizam o drive-thru (12% cada). Mais da metade dos entrevistados globais, no entanto, está disposta a usar essas opções online no futuro (57% para dentro da loja, 55% para drive-thru e 52% para a coleta seletiva).