Insights

9 em cada 10 brasileiros estão total ou parcialmente dispostos a pagar por produtos premium com elevados padrões de qualidade
News

9 em cada 10 brasileiros estão total ou parcialmente dispostos a pagar por produtos premium com elevados padrões de qualidade

{“order”:4,”name”:”pubdate”,”attributes”:{“sling:resourceType”:”nielsenglobal/components/content/publishdate”},”children”:null}

O consumo de produtos premium, que proporciona benefícios especiais, melhorados ou exclusivos, passa por um forte crescimento no Brasil e em toda América Latina. Entre junho de 2015 e junho de 2016, por exemplo, a progressão deste segmento superou os de FMCG (Fast Moving Consumer Goods – Bens de Consumo de Movimentação Rápida) na região. O que está conduzindo essa expansão? Percepção de uma melhora financeira, maior poder de compra e acesso a uma vasta gama de produtos são algumas das respostas, de acordo com o nosso recente Estudo Global sobre Produtos Premium

O estudo aponta que os consumidores compram produtos premium tanto por razões emocionais quanto racionais, mas as emocionais repercutem mais em mercados emergentes, onde as aspirações de status e conquistas são maiores.

Percepção dos brasileiros sobre produtos premium. – Pelo menos 62% dos consumidores brasileiros da pesquisa consideram que um produto premium é aquele elaborado com materiais ou ingredientes de alta qualidade, 53% que oferece função ou desempenho superior, 52% que oferece ou faz algo que nenhum outro proporciona e 51% que propicia uma experiência superior ao cliente. Fatores como disponibilidade, exclusividade para pessoas de certo status e marca conhecida/de confiança não têm muita influência entre os brasileiros.

Entretanto, os consumidores ainda estão formando suas concepções sobre esse tipo de produto. Para 55% dos respondentes é apenas uma forma que as marcas encontram para cobrar a mais, enquanto para 47% o investimento é válido. Em seguida, 43% diz que se sente bem comprando itens premium e 42% se sente confiante.

Quando questionados sobre o quanto estão dispostos a pagar (mais do que consideram o preço médio) por uma marca premium, 93% dos respondentes no Brasil estão de acordo total ou parcialmente que pagariam se o produto tivesse alta qualidade e padrões de segurança, 90% se proporcionasse funções superiores ou se oferecesse algo exclusivo e 89% se fosse composto por materiais sustentáveis ou por ingredientes orgânicos (composição natural).

Produtos que os brasileiros preferem marcas premium – Existem diferentes categorias que os brasileiros consideram adquirir marcas premium. No entanto, as relacionadas com higiene e beleza, bem como alimentos , são as mais relevantes.
Roupas e sapatos lideram a lista de preferência para 40% dos participantes do estudo, seguidos por eletrônicos (40%), carne ou frutos do mar (35%) e produtos para cuidado capilar e higiene bucal (34% ambos). Outros como desodorante (33%), cuidado corporal (32%) e lácteos (31%) também são importantes.

Onde costumam comprar produtos premium? 33% dos brasileiros adquirem na loja de um varejista de seu próprio país, enquanto 29% prefere fazer on-line (nacional). Apenas 10% diz comprar na loja de um varejistas no exterior e 9% on-line (internacional).
Antes de comprar produtos premium, quase metade dos respondentes (48%) prefere fazer pesquisas/buscas, já 36% segue recomendações de amigos ou familiares, 32% tem como fonte a publicidade na televisão, 30% a publicidade on-line e 24% a publicidade na loja.

Percepção econômica dos consumidores influencia a compra de produtos premium – Ao menos 54% dos consumidores brasileiros na pesquisa consideram que sua situação econômica é melhor do que cinco anos atrás, o que permite que uma maior variedade de produtos (64%), educação (63%), tecnologia (57%), produtos premium (23%) e mais formatos de varejo (15%) estejam agora ao alcance deles.
Porém, 54% dos brasileiros apontaram que só têm recursos econômicos para comprar comida, 39% acredita que vive confortavelmente e pode comprar algumas coisas que deseja e apenas 7% considera que pode gastar livremente.

Mas o cenário ainda pode ser muito promissor para as marcas premium de diferentes categorias, já que 50% dos participantes acreditam que hoje podem gastar mais dinheiro na despensa do que há cinco anos e 37% mais produtos para o lar.

Sobre o Estudo Nielsen – Foi realizado entre o dia 29 de fevereiro a 24 de março de 2016, e entrevistou 30.000 consumidores on-line na Ásia-Pacífico, Europa, América Latina, Oriente Médio / África e América do Norte. A amostra inclui usuários de internet que concordaram em participar desta pesquisa e tem quotas com base na idade e sexo para cada país. É ponderado para ser representativa de consumidores de internet por país. Porque a amostra é baseada em aqueles que concordaram em participar, não há estimativas de erro de amostragem teórica pode ser calculada. No entanto, uma amostra probabilística de tamanho equivalente teria uma margem de erro de ± 0,6% a nível global. Esta pesquisa Nielsen é baseada apenas no comportamento dos entrevistados com acesso on-line. Taxas de penetração da Internet variam consoante o país. Nielsen usa um padrão de relato mínimo de 60% de penetração da Internet ou de uma população on-line de 10 milhões para a inclusão da pesquisa.