Insights

Venda de repelentes no mercado brasileiro em 2017 não supera boom de crescimento dos anos anteriores
Artigo

Venda de repelentes no mercado brasileiro em 2017 não supera boom de crescimento dos anos anteriores

{“order”:4,”name”:”pubdate”,”attributes”:{“sling:resourceType”:”nielsenglobal/components/content/publishdate”},”children”:null}

O calor que acompanha o verão é motivo de comemoração para muita gente, mas também sinônimo de preocupação. O receio de contágio por algum vírus, como o da febre amarela, fez com que a população brasileira adotasse algumas boas práticas de prevenção, como o uso do repelente.

A expansão deste mercado tomou ritmo maior nos últimos tempos, beneficiando principalmente a indústria. Segundo nossos dados, as vendas de repelentes em 2016, em comparação com 2015, cresceram 84% em faturamento e 46% em volume no Brasil. Entretanto, esse mesmo movimento não foi observado recentemente. Analisando 2017 versus 2016, as vendas anuais sofreram retração de 30,8% em unidade e 32.4% em valor. Ao observar apenas o mês de dezembro, os dados também não são positivos (-10,4% e -17,2% , respectivamente).

A categoria não conseguiu superar o pico de vendas do verão de 2015, ocasião em que tivemos o estouro de casos de dengue, zika e chikungunya no Brasil. Outro fator que provavelmente impactou esse mercado foi o fenômeno La Niña que, em 2016, foi responsável por manter a temperatura mais baixa. O consumidor tende a comprar mais repelente, ou até mesmo pesticida, quando o ambiente está úmido e quente, em razão da sensação de incômodo e irritabilidade na pele.

Nesse período, as regiões* Sul, Centro Oeste e Interior de São Paulo são os destaques para ganho de importância da venda de repelentes, mesmo apresentando retração em volume e valor. Elas representam cerca de 40% do total de todas as áreas.



*classificação Nielsen
Fonte: Retail Index Enhancement. T.Brasil Alimentar + Farma, Full Year 2016 e 2017

Observação: Em 2016, as auditorias e base de dados Nielsen passaram por um processo de melhoria e ajustes, otimizando as informações que retratam o mercado brasileiro.