Imprensa

Quase 7 em cada 10 brasileiros estão dispostos a pagar mais por alimentos e bebidas que não contêm ingredientes indesejáveis

Cada vez mais consumidores ao redor do mundo modificam seus hábitos nutricionais motivados por sensibilidades alimentares, alergias, desejo de se manter saudável ou convicções pessoais. Segundo o mais recente Estudo Global da Nielsen sobre “O que há em nossa comida e mente”?, 66% dos brasileiros estão dispostos a pagar mais por alimentos e bebidas que não contém ingredientes indesejáveis. 

Essa tendência muitas vezes não é uma opção, mas sim uma obrigação. Conforme os resultados da pesquisa, 30% dos entrevistados no Brasil dizem que alguém de sua casa sofre de alergia alimentar ou intolerância, sendo lactose ou produtos lácteos, frutos do mar e trigo (glúten) os mais comuns, na respectiva ordem.

A dieta baixa em gordura é a mais seguida pelos consumidores globais, principalmente na América Latina, região onde se evita em maior medida o seu consumo. Os brasileiros adotam principalmente uma alimentação com baixo teor de gordura (31%), uso consciente do açúcar (28%) e baixo teor de sódio (22%). Ao mesmo tempo, eles também se destacam por serem os menos adeptos a seguir alguma dieta restritiva na região latina (48% vs. 38% LatAm). Quando questionados sobre dietas por convicções pessoais, 23% dos brasileiros seguem alguma, como flexitarianismo (8%), vegetarianismo (5%), veganismo (3%), Kosher (1%) ou Halal (1%).

E quais são os ingredientes queridinhos dos brasileiros? Eles tentam incluir mais aves (62%), grãos (57%), comida orgânica (57%) e ovos (56%) em sua alimentação diária. Ao mesmo tempo, se esforçam para excluir aqueles com antibióticos e hormônios usados em produtos de origem animal (61%), com sódio (55%), com gorduras saturadas ou trans (54%) e com embalagens BPA (54%). O estudo apontou que esses itens são evitados principalmente por prejudicar a sua saúde do respondente e de sua família.

Em geral, o envelhecimento da população, consumidores conectados e com ferramentas para se informar sobre as particularidades de tudo que fazem e o que consomem, alimentos com propriedades medicinais e maior prevalência de doenças crônicas, são alguns dos fatores chaves que potencializam o interesse em hábitos alimentares e de consumo saudáveis.

Consumidor seletivo: oportunidade para fabricantes e varejistas

Em relação às ofertas atuais do mercado, 37% dos brasileiros mencionaram que suas necessidades nutricionais são totalmente supridas, enquanto 55% expressou que está parcialmente satisfeito e 9% nada satisfeito. Na busca por um estilo de vida mais saudável, os consumidores ressaltaram que há certos tipo de produtos que gostariam de encontrar nas prateleiras das lojas onde fazem suas compras.

Eles esperam achar mais produtos com atributos específicos, como 100% natural (68%), baixo teor/sem gordura (56%), baixo teor/sem açúcar (54%), orgânicos (52%) e baixo teor de sódio (52%). Para os novos alimentos que são desenvolvidos para necessidades ou preferências dietéticas especiais, 31% opta por produtos que ofereçam uma experiência totalmente nova em sabor, 32% os que são formulados para imitar outro e 37% não adota nenhum critério na hora da compra.

Em concordância com as expectativas nutricionais, 8 em cada 10 brasileiros na pesquisa consideram que a alimentação feita em casa é mais saudável e segura do que a preparada industrialmente; 76% se preocupa com o impacto a longo prazo dos ingredientes artificiais na saúde; 75% acredita que alimentos sem componentes artificiais sempre são mais saudáveis e 74% quer saber tudo que contém na comida.

Consumidores mais informados, maior sensibilidade alimentar, aumento de doenças crônicas, mudanças nos hábitos das famílias e das preferências nutricionais, representam grandes desafios e múltiplas oportunidades para a indústria e varejo de alimentos na região. 

SOBRE A PESQUISA 

A Pesquisa Global da Nielsen sobre “O que há em nossa comida e mente?” foi realizada entre 01 a 23 de março de 2016, e entrevistou 30.000 consumidores on-line em 63 países em todo a Ásia-Pacífico, Europa, América Latina, Oriente Médio /África e América do Norte. A amostra inclui usuários de Internet que concordaram em participar da pesquisa e tem quotas com base em idade e sexo para cada país. Foi ponderada para ser representativa dos consumidores da Internet por país. Pelo fato da amostra estar baseada naqueles que concordaram em participar, não é possível calcular estimativas de erros teóricos de amostragem. Entretanto, uma amostra de probabilidade de tamanho equivalente teria uma margem de erro de ±0.6% em âmbito global. Esta pesquisa Nielsen está baseada apenas no comportamento de respondentes com acesso à Internet. As taxas de penetração de Internet variam conforme o país. A Nielsen utiliza um padrão de apresentação de relatório mínimo de 60% de penetração de Internet ou uma população on-line de 10 milhões para inclusão de pesquisa.

SOBRE A NIELSEN – Nielsen Holdings plc (NYSE: NLSN) é uma empresa global de gestão de informação, que proporciona um entendimento completo sobre o que os consumidores assistem e compram (Watch & Buy). No segmento Watch, a Nielsen oferece aos clientes de mídia e publicidade serviços de medição de audiência (Total Audience) de qualquer dispositivo em que é possível ter acesso a conteúdos (vídeo, áudio, texto). O segmento Buy oferece aos fabricantes de bens de consumo e varejistas uma visão global única do desempenho da indústria. Ao integrar as informações dos segmentos de Watch e Buy com dados de outras fontes, a Nielsen apresenta aos seus clientes uma medição de primeiro nível, bem como análises avançadas que permitem o crescimento de seus negócios. A Nielsen, empresa conceituada na Standard & Poors 500, está presente em mais de 100 países, representando 90 por cento da população mundial. Para mais informações, visite www.nielsen.com.

CONTATO IMPRENSA (www.nielsen.com): Angélica Vargas – Comunicação Externa Brasil
angelica.vargas@nielsen.com / (5511) 4613718