Ao usar este Site, autoriza o uso de cookies. Para mais informação, por favor consulte a nossa Política de Cookies. X

Couple in Living Room with Mobile Devices

Em 2022 estima-se que o e-commerce seja responsável pela venda de 10% a 12% dos Bens de Grande Consumo

BGC e Retalho | 14-11-2018

Em Portugal estima-se que alcance os 430 milhões de dólares,
sendo responsável por 1,6% das vendas dos Bens de Grande Consumo

Outubro 2018 - Através de um estudo realizado em 34 países, a Nielsen prevê que, de 2017 a 2022, o e-commerce nos Bens de Grande Consumo apresente um crescimento mundial 4 vezes superior ao verificado tanto nos canais offline como no PIB. Em 2022 estima-se que as vendas globais de e-commerce atinjam os 400 mil milhões de dólares, sendo responsáveis por 10% a 12% das vendas de Bens de Grande Consumo. A China e os Estados-Unidos serão as duas grandes referências globais, agregando 60% do total.

BGC e-commerce around the world

Em Portugal estima-se que o comércio eletrónico alcance aproximadamente os 430 milhões de dólares no mesmo período e que represente 1,6% das vendas. Estes são resultados do relatório Nielsen “Future Opportunities in FMCG E-Commerce”.

“Mesmo passando grande parte do seu dia conectados à Internet, a atividade virtual dos portugueses não inclui ainda de forma significativa um ato tão quotidiano como o de fazer compras. Atualmente, menos de 1% das vendas de produtos de Grande Consumo são online.

No entanto, segundo este relatório, 66% dos portugueses afirmam estar dispostos a fazer no futuro encomendas online com entregas ao domicílio (o valor mais alto da Europa Ocidental) e 63% mostram-se disponíveis para experimentar a opção de encomendar online e recolher em locais específicos nas lojas, o que demonstra que o consumidor está, de facto, disponível para começar a fazer compras online. Os retalhistas têm procurado encontrar um modelo que facilite todo o processo, para assim dar resposta a estas novas necessidades”, refere Mafalda Silva Ferreira, Client Development Senior, da Nielsen.

O relatório da Nielsen identifica e analisa uma dezena de aspetos-chave para determinar o potencial de mercado no canal online a partir de uma investigação detalhada por país.

Num primeiro nível, os drivers fundamentais para o e-commerce são o PIB e a penetração de contas bancárias, da internet e dos smartphones. A nível macroeconómico, há que destacar a facilidade na concretização de negócios, a densidade populacional e a capacidade do sistema postal. A confiança e uma cultura de poupanças constituem os drivers sociais para o desenvolvimento do e-commerce, e, finalmente, do lado da oferta do mercado, a maturidade dos retalhistas é fundamental para o crescimento do comércio eletrónico em Portugal.

Veja aqui o relatório completo

Sobre a Nielsen

A Nielsen N.V. (NYSE: NLSN) é uma empresa global de gestão de informação, que proporciona uma visão completa sobre mercados e consumidores, em todo o mundo. A Nielsen reúne os seus dados com dados de outras fontes de forma a apoiar clientes de todo o mundo a compreender o que está a acontecer no presente e o que irá acontecer no futuro e a melhor forma de usarem esse conhecimento. Há mais de 90 anos, que a Nielsen oferece dados e análises inovadoras e com grande rigor cientifico, e continua a desenvolver novas formas para dar resposta às mais importantes questões que as indústrias de media, publicidade, retalho e bens de grande consumo, enfrentam atualmente. A Nielsen, empresa cotada na Standard & Poors 500, está presente em mais de 100 países, representando 90 por cento da população mundial. Para mais informações, visite www.nielsen.com.