Imprensa

44% dos portugueses estão dispostos a fornecer dados pessoais, para receber ofertas personalizadas no telemóvel quando vão às compras

  • 40% prefere a entrega do pedido online em casa em vez do click & collect ou do click & drive.
  • Champô/condicionador (23%), gel de banho (22%) e pasta de dentes (22%), são os produtos mais frequentes na lista de compras online

Cerca de 65% dos portugueses tem atualmente acesso à Internet. Muitos deles ligam-se através de smartphones, elementos cada vez mais importantes ao fazer as compras no estabelecimento comercial. A utilização destes aparelhos na própria loja está diretamente relacionada com as promoções e descontos e com a própria experiência de compra. Na realidade, 44% dos consumidores mostra-se a favor de fornecer mais informação pessoal aos distribuidores, para receber no telemóvel ofertas personalizadas e relevantes de acordo com os seus interesses, conforme revela o estudo “Global E-Commerce and Retail Channel Preferences”, da consultora Nielsen.

Uma questão que – no entanto – já está bastante difundida é a utilização de terminais de pagamento automático na loja, vinculada a um outro importante requisito do cliente: a conveniência. 40% dos portugueses utiliza estes dispositivos para reduzir o tempo de pagamento das compras. Além disso, 27% revela-se muito recetivo à sua utilização. Estes dados estão em conformidade com a percentagem de 58% de consumidores que gostaria de poder evitar as filas e que lhe fosse debitado automaticamente o valor da compra na sua conta bancária.

O manuseamento do telemóvel na loja está também vinculado à utilização de cupões de descontos, tal como faz ou pretende fazer 58% dos consumidores. Por outro lado, quase cinco em cada dez consumidores ligam-se ao Wi-Fi da loja ou tencionam fazê-lo, para receber ofertas e informação do estabelecimento comercial. Além disso, cerca de 43% dos portugueses afirma que gostaria de ligar-se para obter uma experiência de compras mais personalizada.

O pedido online, preferencialmente entregue em casa

Aos poucos a compra online vai conquistando o seu espaço no mercado português. De facto, 5% dos consumidores afirma que faz compras de alimentação com mais frequência em lojas online, do que em relação ao ano passado, enquanto cerca de 20% mantém a sua frequência de compra através deste canal.

Estes consumidores, quando fazem compras online, optam pelo tradicional método de entrega em casa. 40% prefere fazê-lo desta forma. Menos entusiasmo despertam outras formas mais inovadoras de picking, como o click & drive ou o click & collect. Apenas um em cada dez portugueses utiliza estes modelos de recolha quando efetua compras pela internet, embora mais de 20% dos inquiridos no estudo se revele apologista de começar a utilizá-los.

Os produtos com maior tendência de compra online

Os produtos de perfumaria, higiene pessoal e de limpeza do lar são os mais frequentes na lista de compras online dos portugueses. Dos dez produtos que pretendem comprar através da Internet nos próximos seis meses, nove são das categorias referidas.

O produto mais pedido online é o champô/condicionador (23%), seguido do gel de banho (22%) e a pasta de dentes (22%). Produtos de limpeza (21%), detergentes para a loiça (21%), toalhetes de papel (21%), papel higiénico (21%) e desodorizantes (20%) são outros dos produtos também habituais. Neste top 10 surgem a fechar o ranking, quase na mesma percentagem, a manteiga, o leite e a massa (18% nos três casos). 

Quadro 1. TOP 25 dos produtos mais pedidos online nos próximos seis meses

Fonte: Nielsen.

Sobre o estudo

O relatório internacional “Global E-Commerce and Retail Channel Preferences” foi realizado entre os dias 13 de agosto e 5 de setembro de 2014, tendo a participação de mais de 30.000 consumidores online de 60 países da Ásia-Pacífico, Europa, América Latina, Médio Oriente, África e América do Norte. A amostra está segmentada em cada país por idade e sexo em função dos seus utilizadores de Internet e tem uma margem de erro mínima de ± 0,6%. Este estudo da Nielsen baseia-se no comportamento dos consumidores com acesso à Internet. As taxas de penetração da Internet variam consoante o país. A Nielsen utiliza um barómetro mínimo de penetração da Internet de 60% ou de 10 milhões de utilizadores para a sua inclusão no inquérito. O relatório global da Nielsen, que inclui este estudo sobre o índice de confiança, começou a ser elaborado em 2005.

Acerca da Nielsen

A Nielsen N.V. (NYSE: NLSN) é uma empresa global  de gestão de informação, que proporciona uma visão completa sobre o que o consumidor vê e compra. A área Watch da Nielsen, oferece aos seus clientes de media e publicidade, serviços de medição de audiência (Total Audience) de qualquer dispositivo, em que é possível ter acesso a conteúdos (vídeo, áudio, texto). A área Buy oferece aos fabricantes e retalhistas de bens de grande consumo uma visão global única do desempenho da indústria. Ao integrar informação das áreas de Watch, Buy e outras fontes de dados, a Nielsen disponibiliza aos seus clientes  uma medição de primeiro nível, bem como análises avançadas que contribuem para o crescimento do negócio. A Nielsen, empresa conceituada na Standard & Poors 500, está presente em mais de 100 países, representando 90 por cento da população mundial. Para mais informações, visite www.nielsen.com http://www.nielsen.com/>.