Insights

Confiança do consumidor – 2º trimestre de 2017
Reporte

Confiança do consumidor – 2º trimestre de 2017

{“order”:6,”name”:”pubdate”,”attributes”:{“sling:resourceType”:”nielsenglobal/components/content/publishdate”},”children”:null}
  • A confiança do consumidor global aumentou três pontos em comparação ao quarto trimestre de 2016, chegando a 104.
  • As pontuações de confiança do segundo trimestre aumentaram em relação ao quarto trimestre de 2016 em 41 dos 63 mercados medidos na pesquisa on-line.
  • O aumento da confiança foi percebido na maioria dos mercados medidos na Ásia-Pacífico, América Latina e Europa. Por outro lado, a confiança diminuiu em dois de cinco mercados na África/Oriente Médio e em um de dois mercados norte-americanos.
  • A confiança do consumidor na América do Norte permaneceu maior do que a de qualquer outra região em nível global, com um índice de 117. 
  • A confiança na Europa continuou subindo pelo nono trimestre consecutivo, uma vez que 22 de 33 países apresentaram aumento de índices, o que resultou em uma pontuação regional de 85.
  • A confiança na região da Ásia-Pacífico mostrou um fortalecimento moderado, aumentando três pontos, chegando a 114. 
  • Na América Latina a confiança se manteve estável em 85, aumentando um ponto em relação ao quarto trimestre de 2016.
  • A África/Oriente Médio apresentaram a maior mudança nos níveis de confiança, com o índice aumentando cinco pontos e chegando à pontuação de 88.

Na América do Norte, a confiança do consumidor se manteve estável no segundo trimestre de 2017, com uma pontuação de 117, apesar de uma queda de quatro pontos em relação ao quarto trimestre de 2016. A confiança permaneceu forte nos EUA, em 118, mantendo um nível otimista por mais de três anos (desde o primeiro trimestre de 2014).

No Canadá, a confiança do consumidor manteve o momentum positivo com um índice de 103, um aumento de cinco pontos em relação ao quarto trimestre de 2016.

A confiança na região da Ásia-Pacífico teve fortalecimento moderado, aumentando três pontos, chegando a 114. As pontuações de confiança do consumidor variaram de uma alta de 130 nas Filipinas a uma baixa de 63 na Coreia do Sul. Aumentos de confiança foram percebidos em nove de 14 mercados medidos, com o maior aumento na Coreia do Sul (alta de 20 pontos), seguida pelo Japão (alta de 13 pontos) e Malásia (alta de 10 pontos). Os países que mostraram quedas de confiança incluem a Índia (queda de sete pontos) e Tailândia (queda de três pontos).

A confiança na Europa aumentou cinco pontos, alcançando um índice de pontuação de 85. Enquanto as pontuações do segundo trimestre variaram amplamente na região, de
uma alta de 115 na Dinamarca a uma baixa de 52 na Grécia, a confiança na maioria dos mercados (22 de 33) aumentou.

A confiança permaneceu estável na América Latina, com uma pontuação de 85. As pontuações variaram de uma alta de 97 no Peru a uma baixa de 58 na Venezuela.

Nenhum mercado apresentou pontuações que alcançam ou ultrapassam a linha de base de 100.

A África/Oriente Médio percebeu a maior mudança, com o índice de confiança do consumidor aumentando cinco pontos, chegando a 88. Em 110, os Emirados Árabes Unidos tiveram o maior índice na região, com alta de dois pontos em relação ao quarto trimestre de 2016.

SOBRE A METODOLOGIA DA PESQUISA GLOBAL – As descobertas dessa pesquisa se baseiam em uma metodologia on-line em 63 países. Ao mesmo tempo em que uma metodologia de pesquisa on-line permite uma escala e alcance global enormes, sua perspectiva se restringe aos hábitos de usuários de Internet atuais, não de populações totais. Nos mercados em desenvolvimento onde a penetração on-line continua a crescer, os públicos podem ser mais jovens e de melhor nível socioeconômico do que a população geral de tais países. Três países africanos subsaarianos (Gana, Quênia e Nigéria) utilizam uma metodologia de pesquisa móvel (por celular) e não estão incluídos nas médias globais ou da África/Oriente Médio discutidas neste relatório. Além disso, as respostas estão baseadas em comportamento alegado, não em dados mensuráveis. Diferenças culturais na indicação de sentimentos são fatores consideráveis na medição da perspectiva econômica entre países. Os resultados relatados não pretendem controlar ou corrigir tais diferenças, sendo assim, é preciso ter cautela ao comparar países e regiões, particularmente, entre limites regionais.

ÍNDICE DE CONFIANÇA DO CONSUMIDOR DA NIELSEN – O índice de Confiança do Consumidor da Nielsen mede as percepções de perspectivas de emprego locais, finanças pessoais e intenções de gastos imediatos. Os níveis da confiança do consumidor acima e abaixo de uma linha de base igual a 100 indicam graus de otimismo e pessimismo, respectivamente. Dentro de um país, movimentos de sete pontos ou mais entre um período e outro são considerados significativos do ponto de vista estatístico. Em âmbito global, movimentos de dois pontos são significativos estatisticamente e, em nível regional, movimentos de três a quatro pontos. O índice e outras descobertas relacionadas a confiança do consumidor estão baseados em dados da Pesquisa Global de Confiança do Consumidor e Intenções de Gastos da Nielsen. Estabelecida em 2005, esta pesquisa mede a confiança do consumidor, suas principais preocupações e intenções de gastos entre mais de 30 mil entrevistados com acesso à Internet em 63 países. 

Baixar One Page

Baixar One Page

Confiança do consumidor – 2º trimestre de 2017

To access the full report, please provide the following info:

Pressionando o botão “Enviar”, concorda com nossa Política de Privacidade e nossos Termos de Uso.