Pular para o conteúdo
Insights > Mídia

Rochas Rochosas Clássicas novamente no verão de 2017

Leitura de 3 minutos | Setembro 2017

Dependendo de onde você vive na América, a transição para a queda pode já estar em pleno andamento. A temporada de futebol, noites mais frescas, estalos de cores nas folhas e o retorno à escola e as rotinas de trabalho sinalizam a passagem de outro verão. Todos estes fatores influenciam a escuta de rádio e irão impulsionar os enredos nos meses futuros. Mas com o lançamento das classificações do medidor portátil de pessoas (PPM) da Nielsen para a pesquisa de agosto, é hora de colocar um limite no formato da análise de verão para este ano.

O Classic Rock, pelo segundo ano consecutivo, viu o maior crescimento na participação da audiência ao comparar a sintonia durante os primeiros cinco meses do ano com junho, julho e agosto, os dias de verão dos cães. Em 2017, a raça se resumiu a Classic Rock e Classic Hits, que se tornaram sapatos para o formato da coroa de verão durante os últimos anos. É importante notar que esta distinção não vai para o formato com a maior participação de público em geral (News/Talk). Ao contrário, ela vai para o formato que vê o maior crescimento durante os meses de verão. Houve quatro formatos na corrida pelo formato do verão deste ano, com o Classic Rock emergindo novamente no topo.

Quando se tem uma visão mais longa, fica claro que as audiências gravitam à música de décadas atrás durante os meses de verão, quando os hábitos e rotinas de audição mudam. Classic Hits, o vencedor do verão de 2014 e 2015, geralmente toca mais música pop das mesmas épocas do Classic Rock, o vencedor de 2016 e 2017.

E assim como esses hábitos de verão mudaram a maneira como os americanos ouvem o rádio, o mesmo acontece com os eventos das últimas semanas, já que grandes furacões afetaram a Costa do Golfo, a Flórida e o sudeste. Quando os resultados do PPM de setembro ficarem disponíveis em algumas semanas, estaremos de olho na escuta de notícias e no uso do rádio com um foco particular nos mercados do Texas, da Flórida e de outros lugares.

A última vez que houve um furacão tão grande nos Estados Unidos foi em 2012, quando Sandy se mudou para a Costa Leste e fez um aterro sanitário em Nova Iorque. Durante o caminho, a tempestade passou por sete mercados PPM de Washington a Boston, e nos primeiros dias depois que Sandy atingiu Nova York, a audiência de rádio nesses mercados do nordeste saltou 50% à medida que os consumidores recorriam ao rádio para obter informações e atualizações. Além disso, a proporção de audiência entre as estações de notícias em Nova York (tanto comerciais quanto não comerciais) aumentou dramaticamente; no dia em que Sandy fez aterros em Nova York, metade de toda a audiência de rádio no mercado era para uma estação News/Talk ou All-News.

Cada tempestade é diferente e única, e ambos os furacões recentes chegaram em áreas povoadas em um fim de semana, ao contrário de durante a semana de trabalho, como foi o caso de Sandy. Nas próximas semanas, saberemos mais sobre como estas tempestades moldaram os hábitos de rádio em Houston, Austin, Miami, Tampa e em muitos outros mercados.

Os dados utilizados neste artigo são inclusive de públicos multiculturais. O público consumidor hispânico é composto por populações representativas de língua inglesa e espanhola.