Centro de Notícias > Diversidade

A Nielsen e a Diversidade e Inclusão Globais: Uma abordagem sem fronteiras

Leitura de 6 minutos | Junho 2017
Angela Talton
Angela Talton, Diretora de Diversidade

Com muita frequência, a diversidade e a inclusão (D&I) são vistas pelas lentes do que vemos, com ênfase no significado de diversidade do dicionário. De alguma forma, a palavra inclusão passa despercebida ou chama menos atenção. À medida que trabalhamos para inserir a D&I no DNA da Nielsen, é a inclusão de diversas ideias, experiências, formações e nuances culturais que manifesta a mudança cultural que estamos buscando. Quando incluímos pensamentos novos, diferentes, criativos e inovadores, os resultados costumam ser incrementais e até surpreendentes. É por isso que a diversidade e a inclusão são um imperativo empresarial global.  

À medida que o mundo muda, que a demografia muda, que as culturas se entrelaçam, os produtos e serviços que atraem os consumidores também estão mudando. Isso significa que entender essas mudanças e alterações nunca foi tão importante quanto hoje. Mas como uma empresa sediada nos EUA deve fazer para entender as mudanças do consumidor fora dos EUA? Ouvindo e aprendendo - e é exatamente assim que a Nielsen elabora uma estratégia global adaptada às necessidades de cada país local. Decididamente, adotamos uma abordagem sem fronteiras.

Colocando a "inclusão" de volta na D&I

Para implementar essa estratégia em todos os países em que operamos, começamos com uma estrutura para saber onde cada região ou país se encontra em sua jornada individual de diversidade. Em seguida, trabalhamos localmente para ativar práticas de inclusão e apoiar iniciativas que promovam uma cultura de inclusão.

A estrutura avalia onde a região está em uma jornada que começa com conscientização, descoberta, compreensão, integração e, por fim, a realização das metas estabelecidas ao longo do caminho. Conscientização pode incluir a compreensão das implicações legais para as pessoas com deficiência ou as preocupações com os direitos humanos em uma região específica; enquanto a descoberta é um método que usamos para garantir que o treinamento "Gerenciando um ambiente de trabalho inclusivo" seja ministrado a todos os gerentes de pessoal por um instrutor local que entenda as diferenças culturais. Também estamos investindo no treinamento sobre Preconceito Inconsciente em todo o mundo.

Há diferentes níveis de compreensão, como demonstrado pelo número de capítulos ativos de grupos de recursos de funcionários (ERG) em nossa organização global. Setenta por cento dos mais de 100 países onde a Nielsen opera têm pelo menos um ERG. Essas organizações voluntárias auxiliam no recrutamento, na retenção, no desenvolvimento profissional, no alcance da comunidade, no engajamento e na educação.

Um exemplo realmente gratificante do valor da D&I é quando a integração dessas práticas tem um impacto direto no desempenho do negócio como um todo. Em toda a Nielsen, trabalhamos para integrar nossos dados e as percepções de nossos diversos funcionários para ajudar os clientes a criar estratégias e inovar - seja interagindo com os clientes para compartilhar percepções sobre os comportamentos de compra de diversos consumidores, tornando os materiais de marketing mais relevantes do ponto de vista cultural ou criando um produto novo e lucrativo adaptado a um grupo demográfico. Sabemos que a inovação é fundamental para atender às necessidades de uma população global cada vez mais diversificada. No ponto em que os consumidores, a comunidade e os resultados superiores para nossos clientes se cruzam, nossas equipes globais percebem a importância de sua jornada de D&I. Uma equipe diversificada de funcionários que entendem e apreciam intimamente essas populações e que sentem que suas ideias serão ouvidas é "o molho secreto" necessário para desenvolver os produtos, serviços e campanhas de marketing que atrairão diversos consumidores.

Em todo o mundo, não basta que os diversos funcionários tenham um lugar à mesa; eles devem ser incentivados a ter uma voz à mesa. Cabe aos gerentes incentivar os associados a se manifestarem e, em seguida, ouvir essas vozes e ideias - não apenas para a criação de novos conceitos, mas também para ajudar a Nielsen e os clientes que atendemos a evitar erros dispendiosos.     

O caso de negócios para D&I

Então, por que as equipes diversificadas são mais inovadoras? Por que elas são mais inteligentes? Por que elas produzem resultados superiores? Em 2015, um estudo da McKinsey com 366 empresas de capital aberto no Reino Unido, Canadá, América Latina e EUA constatou que as empresas no quartil superior em termos de diversidade de gênero tiveram retornos financeiros 15% acima da mediana do setor. O estudo também constatou que as empresas no quartil superior em termos de diversidade racial/étnica tinham 35% mais chances de obter retornos acima da mediana do setor. De acordo com o estudo, o inverso também é verdadeiro - as empresas no quartil inferior em relação à diversidade de gênero e racial/étnica têm menos probabilidade de obter resultados acima da média.  

As descobertas do estudo foram o foco de um relatório da Harvard Business Review (HBR), "Por que as equipes diversificadas são mais inteligentespor David Rock e Heidi Grant. O relatório revelou que as pessoas com experiências diversas alteram o comportamento de um grupo, descobrindo mais fatos e cometendo menos erros. A crença é que "equipes diversificadas têm maior probabilidade de reexaminar constantemente os fatos e permanecer objetivas". Além disso, há uma crença de que equipes diversificadas processam as informações com mais cuidado e consideram a perspectiva de uma pessoa de fora ao tomar decisões.

Com relação à inovação, em dois outros estudos mencionados no relatório da HBR, na Espanha e no Reino Unido, as empresas com mais mulheres e as empresas dirigidas por equipes de liderança culturalmente diversificadas têm maior probabilidade de introduzir inovações do que aquelas com equipes de liderança homogêneas. O relatório também observa que "a criação de um local de trabalho mais diversificado ajudará a manter os preconceitos dos membros da sua equipe sob controle e os fará questionar suas suposições. Ao mesmo tempo, precisamos garantir que a organização tenha práticas inclusivas para que todos sintam que podem ser ouvidos".

Como uma empresa de medição, sentimos a responsabilidade de garantir que nossos clientes entendessem - e fossem capacitados para agir - sobre o imperativo comercial de D&I. Por isso, em 2016, criamos e lançamos um Conselho de Inclusão Global para reunir 25 líderes de todo o mundo e definir metas de desempenho e estratégias de negócios relacionadas a: igualdade salarial, recrutamento, movimento promocional/lateral, engajamento, integração, atribuições internacionais etc. O objetivo cumulativo é cultivar um ambiente de trabalho inclusivo que aproveite nossos dados de classe mundial e nossos funcionários excepcionais como uma vantagem competitiva em apoio às necessidades de nossos clientes. O Conselho se reúne pelo menos duas vezes por ano para fazer brainstorming, traçar estratégias, analisar o progresso e definir metas ambiciosas. Como resultado de nossa primeira reunião, os embaixadores do mercado global estão sendo selecionados para trabalhar com a equipe de D&I para ativar e acelerar as jornadas de diversidade exclusivas em cada mercado global. Os membros do Conselho de Inclusão Global da Nielsen terão mandatos de dois anos e estabelecerão metas de representação e movimento.

Ver a D&I como algo sem fronteiras nos permite aprender uns com os outros, ao contrário da prática muito popular de simplesmente exportar ideias e conceitos dos EUA para o exterior. Vivemos a filosofia de D&I sem fronteiras na Nielsen e estamos entusiasmados com o fato de nosso oitavo ERG ter sido lançado fora dos EUA. A Grande China criou o ERG N-GEN (Nielsen Generation), que busca reunir todas as gerações - desde os Millennials até a Grande Geração - para trocar ideias, experiências e conhecimentos, enquanto faz um brainstorming de maneiras de envolver os funcionários locais para fornecer soluções inovadoras tanto para a Nielsen quanto para nossos clientes. Desde seu lançamento, os capítulos da N-GEN estão crescendo nos EUA e na Europa, e já estamos aprendendo muito sobre como otimizar a produtividade de nossa força de trabalho cada vez mais multigeracional.

O mercado global de hoje é bem diferente do de ontem. Cada um de nós é desafiado a superar obstáculos, a inovar mais rapidamente e a fazer isso com o mínimo de desperdício possível. Aproveitar nossas diferenças, bem como nossas semelhanças, nos permite valorizar todas as ideias e perspectivas. Para competir, precisamos pensar de forma diferente e adotar abordagens alternativas. A diversidade de pensamento e a inclusão de perspectivas globais são, de fato, a ciência por trás do que está por vir.