Insights

COVID-19 atingirá mais os consumidores de baixa renda na América Latina
Artigo

COVID-19 atingirá mais os consumidores de baixa renda na América Latina

No início de março, os consumidores da América Latina esperavam poder evitar o pior impacto causado pelo novo surto do novo coronavírus (COVID-19). Em três semanas, no entanto, o número de infecções identificadas aumentou exponencialmente, se espalhando por todos os países da região. Isso, juntamente com o fato de a pandemia ter paralisado a maior parte do mundo, faz com que os consumidores na América Latina esperem que o impacto seja demorado. De fato, um estudo da Nielsen em 13 mercados latino-americanos descobriu que 76% dos latinos agora estão preocupados com a COVID-19 e 51% estimam que ela veio para ficar pelos próximos quatro meses ou mais.

os desafios sociais para os consumidores da américa latina

Desde o início da pandemia, os consumidores em todo o mundo são aconselhados sobre como gerenciar a propagação do vírus: lave as mãos, pratique o distanciamento social e “#FiqueEmCasa”. No entanto, ficar em casa não é uma opção para mais da metade dos consumidores que trabalham na América Latina (53%). Esses consumidores pertencem ao setor informal e ganham dinheiro diariamente ou semanalmente em posições que geralmente não incluem benefícios ou seguridade social.

Embora muitos governos latino-americanos estejam buscando políticas para subsidiar consumidores de baixa renda e as populações mais vulneráveis, elas não eliminam o risco de exposição ao vírus. Para muitos, ficar em casa é uma realidade impossível, pois significaria que esses consumidores vulneráveis não teriam dinheiro suficiente para comer ou comprar itens essenciais do dia a dia. Ou seja, eles continuam trabalhando, o que aumenta o risco de infecção. É uma situação cada vez mais complexa que agrava a agitação social e aumenta de forma latente a delinquência a curto prazo.

À medida que a COVID-19 se espalhou pela América Latina, muitos ficaram profundamente preocupados com as crescentes consequências humanitárias, econômicas e políticas. A COVID-19 terá o maior impacto sobre os consumidores menos equipados para lidar com ela: os que vivem em condições de extrema pobreza e desigualdade*. Pobreza e a desigualdade já eram um problema na região, mas a COVID-19 irá aprofundá-los,, exercendo uma maior pressão sobre as perspectivas financeiras e os estilos de vida dos consumidores.

O otimismo dos consumidores latino-americanos em relação às perspectivas de emprego, mesmo antes da COVID-19, já era o mais baixo do mundo. E com o aumento das taxas de desemprego, o estímulo ou a assistência dos governos serão fundamentais para manter a estabilidade financeira dos países.

Mudanças no comportamento de consumo e desafios dos varejistas

Como vimos globalmente, os consumidores latino-americanos mudaram dramaticamente seus hábitos de compra em meio à pandemia, com grandes aumentos nas compras de despensa e limpeza. De acordo com dados do painel HomeScan da Nielsen, 50% das famílias brasileiras, mexicanas e colombianas afirmam ter amplo estoque de despensa em categorias específicas por, pelo menos, três semanas.

Além disso, o nosso estudo “Impactos da COVID-19 no consumo” destaca a forma como os consumidores estão comprando mais na maioria das categorias, como resultado da pandemia.  Por exemplo, mais de 50% dos consumidores afirmam ter aumentado as compras em categorias como antissépticos ou máscaras, enquanto outros também estão estocando algumas categorias de alimentos, como molhos e condimentos (45%), alimentos prontos para consumo (42%) e produtos com uma longa data de validade (por exemplo, comida enlatada {33%}) à medida que os consumidores adotam a economia doméstica.

A maioria dos consumidores na América Latina tem menos dinheiro no bolso e está se tornando cada vez mais cautelosa quando se trata de gastos futuros. Eles estão vivendo dia a dia e não têm fundos adicionais para estocar suas despensas. À medida que as restrições de mobilidade continuam e as empresas permanecem fechadas, os consumidores ficam cada vez mais desesperados para garantir sua saúde e suprimento de alimentos. Esses consumidores restritos provavelmente se voltarão para locais de compra pequenos e informais que oferecem predominantemente preços baixos e desembolsos menores (por exemplo, mercados de rua, comércio tradicional, lojas com desconto,atacarejo (C&C) e atacadistas) para satisfazer as suas necessidades diárias. Por exemplo, no México, 66% das famílias de baixa renda afirmam que se abastecem nos pontos de venda tradicionais e 30% nos mercados de rua. Comparativamente, 80% dos níveis socioeconômicos mais altos fazem as suas compras nos supermercados.

Historicamente, também vemos uma crescente dependência dos consumidores latino-americanos em relação ao comércio tradicional por meio do aumento de compras em pontos de venda tradicionais (o canal de comércio tradicional representa mais de 50% do total das vendas na América Latina). O comércio tradicional oferece a conveniência da proximidade, além de preços mais baratos e custos menores para os consumidores de baixa renda.

Dado o recente aumento das compras para as necessidades quotidianas, o canal tradicional de comércio enfrenta desafios significativos na manutenção de abastecimento adequado. A maioria dos varejistas do comércio tradicional tem acordos informais de abastecimento e de cadeia de abastecimento e muito poucas empresas entregam os produtos diretamente nas lojas do comércio tradicional. Além disso, seus próprios recursos limitados de fluxo de caixa não permitem adicionar estoque adicional para atender ao aumento da demanda, o que está levando ao fechamento de lojas para muitos no canal.

Dada a pressão para manter o estoque, os varejistas comerciais tradicionais têm a oportunidade de se adaptar e sobreviver à pandemia; isso proporciona a eles a chance de abraçar os pontos fortes que o canal oferece: proximidade com as casas dos compradores; uma variedade de produtos que atendem às necessidades restritas dos consumidores em embalagens menores e, portanto, menor desembolso. Mas eles devem abordar seu mix tradicional de sortimento de produtos convenientes de consumo imediato, expandindo para categorias mais essenciais e básicas (por exemplo, alimentos empacotados, produtos de higiene pessoal e de limpeza). Os varejistas comerciais tradicionais que sobreviverem e prosperarem durante a COVID-19 poderão fortalecer o relacionamento com atacadistas e fabricantes com ou sem distribuição direta.

Este cenário representa uma oportunidade para atacadistas, fabricantes e até mesmo os varejistas; de modo a melhorar suas relações com os comerciantes tradicionais, fornecendo linhas de crédito adicionais ou facilidades de pagamento, serviços de distribuição, pacotes exclusivos para este formato e também parcerias com distribuidores de bens de consumo de giro rápido (FMCG) ou mesmo plataformas online. As lojas tradicionais oferecem uma oportunidade vital para milhões de famílias de baixa renda na região; portanto, apoiá-las durante este período poderia ser uma grande oportunidade para demonstrar que as empresas estão empenhadas na recuperação das economias locais na era da COVID-19.

Como afirma Oscar Cabrera, chefe da Nielsen Analytics na América Latina: “Isso representa uma oportunidade importante para fabricantes, varejistas e aplicativos de entrega, como Rappi ou Cornershop, expandir suas opções de entrega e conquistar esse enorme mercado; repensando a estratégia de sua cadeia de suprimentos para incluir a cobertura das lojas tradicionais por meio de ferramentas de segmentação para impulsionar os esforços nas lojas certas.”

NotA

*Índice de GINI (oito países no Top 20: Brasil 53,30, Colômbia 49,70 e México 48,30 vs. os primeiros 1: África do Sul 63 ou Itália 35,40 ou Suécia 19,20).

Metodologia

Os insights deste artigo têm como base:

  • Nielsen Retail Index – Variação em vendas volume em Março 2020 vs. Março 2019 na Argentina, Brasil e México
  • Nielsen HomeScan – Impacto da COVID-19 nos lares: Março 2020
  • Nielsen Pesquisa com varejistas: Março 20202
  • Estudo global em curso que reflete apenas uma parte de um número mais amplo de temas (por exemplo, compras on e offline, planos de viagem e férias, etc.) cobertos no estudo. Nielsen Impacto da COVID-19 nos consumidores. A pesquisa foi realizada entre 26 de março e 01 de abril de 2020 em 13 mercados latino-americanos. Os resultados destacados são apenas um exemplo de alguns dos mercados incluídos no estudo completo. Dadas as mudanças dinâmicas que aconteceram na última semana, é importante ter em conta o impacto dos eventos COVID-19.