02_Elements/Icons/ArrowLeft Voltar para o Insight
Insights > Mídia

Ao que o consumidor está prestando atenção?

Leitura de 3 minutos | Junho 2017

É uma velha verdade que a "disposição dos consumidores para comprar prevê as tendências de consumo para os próximos 6-12 meses". Como eles valorizam suas perspectivas profissionais e financeiras pessoais também é importante para entender o sentimento do cliente. Um indicador regular disso é o Índice de Confiança do Consumidor Nielsen, que é conduzido trimestralmente com milhares de respondentes.

De acordo com o último relatório do último trimestre de 2016, o índice geral de confiança dos consumidores na Europa está em 81 pontos, mas também estamos testemunhando uma forte dispersão em nossa região. Na Europa Central e Oriental, a República Tcheca lidera a lista com 103 pontos (+4), seguida pela Polônia com um ligeiro decréscimo (-3) e 88 pontos. A Romênia também caiu (-2), ficando em 85 pontos, enquanto a Eslováquia subiu um ponto para 82 pontos. Os búlgaros estão 75 pontos abaixo, seguidos pela Croácia com 69 pontos (-4).

Na Hungria, o índice de confiança do consumidor húngaro permanece inalterado ao longo do período: 64 pontos, semelhante aos resultados do terceiro trimestre, estabilizando os resultados de mais de sessenta pontos no segundo semestre de 2015. Atrás de nós, com 62 pontos, a Eslovênia é o motor do exército regional.

Disposição do cliente

As perspectivas financeiras pessoais influenciam fundamentalmente o comportamento do consumidor. Quando perguntados "Como você acha que será sua situação financeira pessoal nos próximos 12 meses", os tchecos são os mais otimistas: 61% disseram que acham que sua situação financeira é boa ou excelente. Exatamente um quarto dos húngaros concorda com esta afirmação (25%), o que é um aumento de um ponto percentual em comparação com o trimestre anterior.

34% dos entrevistados europeus questionaram o tempo como excelente ou bom quando lhes perguntaram quão bom era o tempo para comprar as coisas de que precisavam. Os tchecos e romenos têm sido mais positivos do que a média européia. A vontade dos consumidores húngaros de comprar também diminuiu um pouco: durante o período da pesquisa, 19% dos entrevistados disseram que o período foi bom ou excelente para comprar o que eles precisavam nos próximos 12 meses. Isto é 4% menor do que no terceiro trimestre.

Além disso, a Nielsen pergunta sobre outros hábitos de gastos, além do alojamento e do custo de vida. A pergunta sobre o uso do dinheiro restante foi respondida por uma média de 36% dos europeus, economizando a quantia restante. Trinta e quatro em cem compram roupas novas, enquanto um terço (33%) gastam seu dinheiro em férias. Os poloneses adoram se divertir, com 31% sendo a nação mais movimentada da região. Por outro lado, os eslovacos (depois de economizar) têm o dinheiro restante para embelezar suas casas, 37% deles investem nele. Os costumes húngaros são completamente diferentes: se sobrar dinheiro, pouco mais de um quarto (26%) dos húngaros embelezarão sua casa, 25% dos entrevistados a reservarão para as economias, seguidos do pagamento da dívida com 23%. Cerca de um terço (31%) dos entrevistados disseram nunca ter sobrado dinheiro (19% em média na Europa).

Os húngaros compram mais de uma vez e ocasionalmente gastam menos

As mudanças na dinâmica do mercado varejista e nos hábitos de compra em 2016 esboçam novas tendências. Estamos mais otimistas em comparação com o ano anterior, e isto também se reflete nos gastos. Em termos de valor, as vendas de varejo na Hungria aumentaram 4,5% no último trimestre de 2016 em comparação com o mesmo período do ano anterior no mercado de alimentos e produtos químicos medidos pela Nielsen. Isto está bem abaixo da média trimestral européia de 1,8%.

Os hábitos de compra também estão tomando forma: a proporção daqueles que têm uma estrutura financeira apertada para a compra de produtos domésticos e químicos e estão aderindo rigorosamente a uma lista de compras pré-compiladas está diminuindo. A tendência é positiva: enquanto 73% dos consumidores tinham um orçamento apertado em 2014, ele caiu para 53% em 2015 e 38% em 2016. Isto também se reflete no Índice de Confiança do Consumidor Nielsen, que afirma que nossos compatriotas não têm mais medo do endividamento (atualmente a terceira maior preocupação).

O otimismo também se reflete no rearranjo das preferências de compra: a ordenação da loja e o ambiente agradável estão se tornando cada vez mais importantes para os clientes.

(Publicado no Food Journal)

Tags relacionadas:

Continue navegando por ideias semelhantes

Nossos produtos podem ajudar você e sua empresa

  • Visão do consumidor e da mídia

    Acesse pesquisas de consumidores sindicalizadas e personalizadas que o ajudarão a moldar marcas, publicidade e marketing bem-sucedidos...

  • NCSolutions

    Maximize a eficácia da publicidade de CPG com dados para melhor segmentar, otimizar e permitir resultados baseados em vendas.