Pular para o conteúdo
Insights > Mídia

O Relatório da Relógio Local Nielsen

Leitura de 2 minutos | Janeiro 2019

A EVOLUÇÃO DA CASA NO AR

Em maio de 2018, mais de 14% de todos os lares com TV - ou 16 milhões de lares - tinham status de TV "over-the-air" (OTA), e esse número está em ascensão. Como os consumidores buscam mais opções on-demand e econômicas, tem havido um ressurgimento neste segmento de status de TV a cabo. Entretanto, para realmente entender esta tendência é preciso entender como são as casas OTA - quem está nelas, e como elas se envolvem com a mídia.

Descobrimos que dois segmentos destacados da OTA estão coexistindo, com perfis e hábitos de mídia muito diferentes. Um tipo de casa OTA tem pelo menos um serviço SVOD, enquanto o outro não tem serviço SVOD. Quando dizemos SVOD, estamos falando dos serviços pagos, Netflix, Hulu (não Hulu Live), e Amazon Prime Video. As casas "Sem SVOD" tendem a ser mais antigas, mais diversificadas e têm uma renda mediana menor, em comparação com o segmento "Mais SVOD", que se inclina para mais jovens, mais abastados e mais conectados ao dispositivo.

Uma tendência de crescimento

O número de casas OTA está crescendo, com um crescimento mais pronunciado nos últimos anos. A porcentagem de residências sem cabo tradicional (com fio ou satélite) aumentou 48% nos últimos oito anos, totalizando 16 milhões de residências em maio de 2018.