02_Elements/Icons/ArrowLeft Voltar para o Insight
Percepções > Audiências

A inclusão do LGBTQ+ na mídia continua focada nas relações entre pessoas do mesmo sexo

Leitura de 3 minutos | Agosto 2022

Nos anos desde que foi cunhado pela primeira vez, o inicialismo "LGBT" expandiu-se para incluir uma gama muito mais ampla de identidades para abranger a orientação sexual, identidade e expressão de gênero, bem como características sexuais. Esta gama de diversidade é onde a comunidade LGBTQ+ acredita que falta conteúdo inclusivo.

Dentro da vasta gama, a comunidade acredita que o conteúdo, inclusive das relações entre pessoas do mesmo sexo, é o único a ser amplamente abraçado1. Comparativamente, as percepções de inclusão sobre diversidade de gênero, bissexualidade, assexualidade e pansexualidade são muito baixas.

Em 2020, muitas comunidades notaram uma mudança marcante no compromisso das marcas com a inclusão através de seus esforços de marketing em resposta ao cálculo global da injustiça racial e do tratamento das comunidades marginalizadas. Apesar disso, grande parte dessa perspectiva provém de uma base baixa, pois as percepções de inclusão permanecem longe de 100%, especialmente para grupos com os quais muitas pessoas estão muito menos familiarizadas, tais como as pessoas pansexuais e as pessoas fluidas de gênero. Também é interessante ver como as percepções diferem entre membros da comunidade LGBTQ+ e não-LGBTQ+, identificando pessoas.

Cerca da metade das lésbicas, por exemplo, acredita que a publicidade é muito pouco inclusiva quando se trata de seu grupo de identidade. Comparativamente, dois terços das pessoas que não se identificam como LGBTQ+ acreditam que a publicidade é muito não-inclusiva para as lésbicas. O grande problema aqui é que em muitos casos, pessoas fora da comunidade LGBTQ+, por estarem menos expostas a anúncios LGBTQ+, muitas vezes percebem que há uma menor inclusividade na publicidade em comparação com pessoas que se identificam como LGBTQ+.

A lacuna é significativa, especialmente para gays e lésbicas. Os dados mostram que algumas audiências LGBTQ+ já vêem os benefícios de conteúdo mais inclusivo e publicidade entregue em canais digitais preferidos que permitem um direcionamento mais agudo, mas os telespectadores fora desses canais direcionados nem sempre vêem o progresso. O conteúdo inclusivo e as campanhas podem servir às comunidades que eles representam, bem como a um público mais amplo.

Globalmente, a comunidade LGBTQ+ nos Estados Unidos acredita que a publicidade é mais inclusiva da maioria das orientações sexuais, particularmente aquelas que se identificam como gays, do que em outros países. As pessoas no México também têm uma alta percepção de que os retratos de pessoas gays na publicidade são inclusivos. Comparativamente, as percepções são notavelmente mais baixas na França.

Em média, 69% das audiências internacionais LGBTQ+ dizem acreditar que estão sendo feitos esforços para melhorar a inclusão na mídia, mas há mercados onde os consumidores sentem que a inclusão está estagnada ou mesmo em declínio. Nos nove mercados estudados, 27% de todos os entrevistados acreditam que o nível de inclusão não mudou, enquanto 6% dos entrevistados LGBTQ+ no Canadá e 5% no Brasil perceberam uma redução na inclusão nos últimos dois anos. No Brasil, a percepção de inclusão caiu ainda mais entre a população em geral.

No conjunto, a percepção da comunidade LGBTQ+ indica que os retratos atuais da mídia oferecem uma visão incompleta das identidades e experiências LGBTQ+. Em geral, a inclusão está melhorando, mas essa inclusão se concentra principalmente nas identidades gays e lésbicas, deixando muitas delas amplamente subrepresentadas.

Além de observar uma visão incompleta de toda a comunidade, os consumidores pesquisados para nosso estudo internacional LGBTQ+ de percepção da mídia inclusiva têm opiniões fortes sobre a necessidade de autenticidade na mídia e o abandono dos estereótipos. Em todos os grupos, incluindo aqueles que não se identificam como LGBTQ+, evitar o estereótipo é a primeira maneira de melhorar a inclusão no conteúdo, seguida de perto pela necessidade de mais autenticidade e realismo.

Para obter mais informações, baixe nosso recente relatório global LGBTQ+.

Fonte

 12022estudo internacional LGBTQ+ incluindo percepções da mídia

Continue navegando por ideias semelhantes